Publicidade

2014/10/24

Prá não dizer que não falei de flores

Me permitam ser leve. Não vou falar de escolhas, não vou falar de eleições. Tenho minha posição, você tem a sua, temos as nossas.

 "Alea jacta est"

Hoje vou falar de flores. Das flores que nascem de nossas sementes. Das flores que nascem de nossas vontades. Das belezas que florescem de nossas ações.
Arranjos que fazemos de nossos atos cotidianos. Eles formam a teia de retalhos que cobre nossas vidas, que nos conforta. Ou não. 

Ano pessoal de desapego, dolorido desapego, pedindo uma faxina de alma. Uma formatação do software interno. E nada mais apropriado que lembrar de flores. De beleza, de leveza.
Dentro desse princípio, juntei uma série de imagens que fazem bem aos olhos. Entendam como um presente de alma para alma. De sensibilidade para sensibilidade.
Escolhi arranjos e flores que me encantam. Flores raras e flores simples. Mistura de complexidade e singeleza que constrói realidades belas.
"Prá não dizer que não falei de flores"....falei de paz. Falei de verdades que dentro de mim abundam. 

Confiança. Sinceridade. Coerência. Credibilidade. Sensibilidade. Atitude. Paixão. Verdade que saí de dentro, que toma conta, que verte em forma de alegria e vida.

Então hoje me permitam ser leve. Quando a certeza se encontra dentro de nós não há necessidade de agressividade. 

Fotos - Pinterest 

2014/10/23

Ideias para ter mais verde em sua vida

Fonte
Com esse sol tão lindo da semana deu uma vonta de estar perto do verde. E reuni algumas ideias de como podemos fazer isso no meio urbano. 

Mora em casa e tem um cantinho do jardim para guardar de tudo? Lá em cas isso sempre foi hábito. Uma vez meu pai teceu uma trama com o mestre de obras para construir seu quartinho porque eu tinha me recusado a coloca-lo no projeto (viu, não dá para ignorar cliente, nem os de casa...mea culpa). Então, aqui no RS é comum nas casas de interior se ter um espaço para a lenha. Vejam que charmosa essa casinha para entulhos com teto verde e fechamento em toras! Amei!    
Fonte
 E de repente na limpeza sobrou algumas pecinhas, tipo gavetas e malas antigas? Que tal um jardim de suculentas? Eu achei um charme! 
Fonte
 E a bicicleta??? Jura que não é bárbara essa solução? Um trilho, um caixote com teto verde pra ciclista nenhum colocar defeito.  
Fonte
 Aqui já entrei no sonho. Juro que iria querer morar em um lugar assim. Devo ter um complexo de jardim suspenso da Babilônia...só pode. Mas era tudo o que me faria feliz, poder viver no meio desse verde todo. Em plena cidade!
Fonte
Mas se o bolso e o espaco não chegam a tanto, dá para pensar em aproveitar as coberturas ou terraços para ajudar a massa verde nas cidades. Ideias não faltam... 
Fonte
 Mas mesmo que só possamos ter um pouquinho de verde, sempre dá para criar um arranjo cheio de criatividade, não é verdade?
Veja AQUI mais postagens com verdes.
Fonte

2014/10/22

Rococó gastronômico - hedonismo puro!

Jean Honoré Fragonard, um ariano do mesmo dia que eu, pintor francês com grande produção, mas nem tanta popularidade assim na sua época, foi o tema da excelente palestra do professor Dr. José Augusto Avancini no almoço Clio.  

Em momento hedonista de vida, estava realmente precisando me debruçar sobre a arte e a sua maravilhosa maneira de acrescentar em sensibilidade e despertar meus sentidos para novas percepções da vida. (Parenteses: me lembrei de um livro que li no milênio passado chamado As portas da percepção de Aldous Huxley ) e o motivo é que a Arte tem um efeito de uma droga alucinógena para minha mente como as experiências descritas no livro. É como se eu me refinasse, como se as pinceladas, as intenções do artista servissem de porta para que novas luzes se abram novas maneiras de sentir e ver.  

E nada melhor que abrir essas portas com uma bela aula sobre algo que eu desconhecia e que me fascinou, unida a um belo almoço, um bom vinho e uma excelente companhia. Convite aceito, momento fantástico, confirmando que a Vida é bela se bem vivida. E esse bem vivida varia de pessoa a pessoa. Para mim passa pelo conhecer, pelo pesquisar, pelo prazer e pela contemplação sensorial.
O almoço fazia referências à estes prazeres, relembrava cores que Fragonard usava em suas pinturas.

Entrada
Massa folhada com gruyère e chutney de frutas secas - apresentação linda, amarelos e vermelhos coexistindo em uma festa para os olhos. (Uma ressalva, a massa folhada estava um pouco cozida demais para o meu gosto, dificultando que se cortasse. O chutney estava divino)

Prato principal
Boeuf bourguignon com batatas douradas - Um prato forte, carregado de rusticidade campestre mas que lembra as caçadas dos nobres da época. Mas como assim, mulher, tu não vive dizendo que não come carne vermelha e coisa e tal??? Sim, não como. Mas não sou rígida gente. Já passei dessa fase. Se for o caso, provo sim, e estava deliciosa. Mas as batatas para mim ganharam. Comi todas!!! Faltou um pão para comer com o molho - mãos lambuzadas...acho que entrei no espírito sensual da época....rsss 
Sobremesa
Bavaroise de chocolate com compota de morango - bom gente, eu comeria quantidades obscenas dessa sobremesa. E olhem que eu não sou de doces. Uma consistência perfeita, uma sensação de frescor, de delícia, de vontade de comer mais e mais...querem coisa mais sensual que isso??? Adoro quando a comida se relaciona de forma tão perfeita com o tema, o que sempre acontece nos almoços e banquetes Clio.

A Leitora, um dos quadros de Fragonard, onde podemos sentir a referência das cores que inspiraram a gastronomia. 
A fonte do amor, uma de suas obras que mostra o espírito alegre e cheio de jogos amorosos da época.
Como não sou uma experta em arte, separei uma aula sobre um de seus, O Balanço, onde podemos entender melhor os simbolismos e a composição. Não está em português, mas é entendível. E abaixo um resumo sobre o rococó nas artes e arquitetura. As pinturas eram usadas como elementos decorativos nas paredes, quase como se fossem nossos papéis de parede atuais. Uma mostra na primeira figura do salão aí de cima. Um período de festa e muito over. Mas muito interessante e que teve suas vertentes no Brasil no século XVIII
El Gronxador (1767) de Jean-H. Fragonard from Manel Trenchs on Vimeo.

2014/10/21

E o Rio continua lindo e doce #vivapositivamente

É o Rio de Janeiro continua lindo! Não importa se o dia é bonito, ou mais nublado, ter o privilégio de vir participar de um evento com essa vista já vale a viagem de ida e volta de Porto Alegre ao Rio. Vamos combinar que trabalhar olhando esse esplendor todos os dias só pode inspirar as pessoas.

E pessoas inspiradas em proporcionar carinho em forma de detalhes e informações é o que não falta aos organizadores dos encontros do Viva Positivamente. Já falei várias vezes sobre eles aqui no blog e sempre são enriquecedores. Principalmente pelo contato com pessoas de todas as profissões, de todos os locais do Brasil ( do Norte ao Sul)
Então, o evento de hoje era para nos dar um panorama sobre adoçantes e edulcorantes. E antes disso nos falar sobre os processos de pesquisa dos produtos. Eu, como boa oriunda de um mestrado em engenharia de produção, gosto de tudo o que se refere aos processos de produção e pesquisa de produto. Principalmente saber os cuidados com as matérias primas, os fornecedores e a adequação ao paladar e gostos regionais. 
Mas antes me permitam mostrar algumas das belezas com que fomos brindados. Cuidados com o ambiente são também uma forma de carinho e comunicação de marca.
Os cuidados com o lixo são uma constante, assim como a limpeza do ambiente. Tudo foi preparado para nos dar a sensação de estar no próprio laboratório. Desde os aventais e óculos que tivemos que vestir, aos vidros fumegantes que representavam os processos químicos. 
Além disso, vários objetos antigos lembravam antigos processos, como balanças de precisão
E coisa mais amada, as antigas garrafas de Coca Cola. Objeto de desejo da maioria das pessoas que ali estavam, acho que a redondinha ganha em charme, sem dúvida.
E como sempre a foto dos blogueiros, vlogueiros e pessoal da organização. Ou pelo menos dos que ainda estavam lá nessa hora. Porque sim, tinha muito mais gente! 

Estou esperando a hora de voltar para casa e blogando do tablet, por isso não consigo colocar links. Mas tinha que compartilhar logo algumas das coisas bonitas que vi e vivi hoje.

2014/10/20

Campo de futebol gaudério - e inusitado

Cá estava eu, olhando as notícias no Flipboard e eis que me encantei por essa imagem. Um espaço de esportes abaixo e um campo de futebol acima! Bem bolado!

Fui lá conferir quem tinha feito e olha a outra surpresa! É um projeto de um estúdio gaúcho, o OSPA e foi feito para um concurso de arquitetura de uma instituição de ensino em Canoas, uma cidade ao lado de Porto Alegre.  

Um conceito de espaço público para uma comunidade - segundo as palavras dos arquitetos: "Nossa cidade, nossa vida. Na face dos edifícios, os olhos da cidade."


A propósito, conhecem minha revista no Flipboard? Podem ler o ARQUITETANDO IDEIAS lá também de maneira super agradável, é uma plataforma que simplifica a leitura de notícias e redes sócias, com a vantagem que a gente pode guardar em revistas.

2014/10/19

Brinquedo de papelão para gente grande

Vamos concordar que esses bichinhos de papelão, meio enfeite, meio mobiliário, são muito fofos! Eu me apaixonei por eles assim que os vi!

São da empresa portuguesa Toyno - e são pensados para a criança que mora dentro de cada adulto. A minha ficou fascinada! 

Gosto muito de produtos feitos em papelão. Já fiz várias postagens sobre produtos e mesmo pontes e edificações usando esse material. Veja AQUI

E os deixo com a linha de produtos da Toyno. Tem burrinho, tem jacaré, tem elefantinho, todos lindos! E eu adorei a receita deles:


E não é que é mesmo! 

 







Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More